Pular para o conteúdo principal

Reclamadores de plantão!


Se você se reconheceu nesse título, leia este artigo até o final, porque você vai se surpreender!
“Este café está horrível!”; “O pão está murcho”; “A comida está fria”; “Meu cabelo é horroroso”; “Meu corpo é feio”; “Ai, que calor”; “Agora está frio demais”; “Por que o meu esposo não é igual ao da minha amiga?”; “Ah! Minha mulher poderia ser como a Fulana”; “Este pastor grita demais, Deus é surdo?”; “Eu não gostei do culto hoje” (aliás, nunca gostou); “Isso só acontece comigo!”; “Ah! Os meus filhos poderiam ser como os do vizinho”; “Odeio meu emprego”; “Odeio minha família”; “Minha vida é uma droga”.
Se algumas dessas frases lhe são familiares, não é mera coincidência. Elas foram escritas para tocar você mesmo, por ser um “mestre” em reclamação ou por conhecer alguém que é. Nada para o reclamador está bom. Nada presta. Tudo tem de ser exatamente do jeito dele, e mesmo assim ainda tem aqueles que sempre enxergam algum defeito ou problema e se põem a reclamar. Neste sentido, é bom salientar que o “reclamão” não é uma pessoa grata. Ele pensa que as pessoas têm obrigação de servi-lo e o pior: servi-lo da maneira que ele acha que é a correta.
Mas por que algumas pessoas agem assim? Por que existem aqueles que reclamam exageradamente? Quem responde a esta pergunta é a psicóloga Rose Mary Soares Cunha. Além de psicóloga, Mary atua no Ministério Rede da Família, da Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte (MG), aconselhando noivos e namorados. Para ela, vários são os motivos que fazem com que uma pessoa reclame demais, entre eles por repetição. Mary explica: “A criança, por exemplo, aprende por repetição, quando elas ouvem os adultos xingando, passam a xingar também, quando percebem medo nos adultos por determinada coisa sentem medo também e assim aprendem também a reclamar. Somos modelos e não é somente para criança, mesmo depois de adultos continuamos aprendendo por modelo. Precisamos estar atentos para perceber o que estamos aprendendo”, observa Rose Mary que também é pós-graduada em Gestão de Pessoa.
“O mito da grama mais verde” O subtítulo deste artigo se refere ao livro “O mito da grama mais verde”, de J. Allan Petersen. Em seu livro, o autor aborda, entre várias coisas, sobre a velha máxima de que a grama do vizinho é sempre mais verde. Os reclamadores de plantão vivem sob essa ótica. Eles supervalorizam as coisas dos outros, apenas pela aparência exterior, sem nem mesmo conhecer o contexto das situações que envolvem tais coisas. A casa do vizinho é melhor, a família dos outros é mais abençoada, a igreja vizinha é mais cheia de poder, o pastor da outra igreja é mais ungido, o emprego do colega é mais recompensador, e muitos outros exemplos que não caberiam neste artigo. Na verdade, o que acontece, é que os reclamões criam uma expectativa falsa em relação aos outros. Eles depositam nas pessoas, o que eles gostariam de ter ou ser. E como não conseguem, começam a reclamar.
Para Rose Mary, isso acontece porque para reclamar basta que se tenha um motivo, do contrário, do que a pessoa vai reclamar! Ela diz: “Se a pessoa precisa de um motivo, ela vai buscá-lo e começar a observar os outros para saber sobre o que ela pode falar. E como quem procura acha, acaba encontrando o que estava procurando: um bom motivo baseado naquilo que o outro tem e ele não tem”.
Vê se desconfia! O grande problema da maioria dos “reclamões” é que eles não conseguem perceber que, muitas vezes, estão sendo chatos e/ou inconvenientes. Disparam a falar sem controle e até agem com sarcasmo em algumas situações, depreciando o trabalho dos outros. Pondo defeito em tudo. Sendo assim, não percebem que estão magoando outras pessoas com suas reclamações, algumas vezes, infundadas e sem limites. Nesse aspecto, Mary enfatiza que às vezes é preciso um toque de um amigo, parente ou uma pessoa próxima. Mas ela ressalta:“Se  a pessoa percebe e deseja mudar vai precisar de força de vontade”. Ou seja, de nada adiantará o toque de alguém se a pessoa não procurar mudar suas atitudes e reconhecer os seus erros.
Mude o seu foco Talvez, lendo este artigo, você se reconheceu com as dificuldades aqui apresentadas ou conhece alguém que age assim. Dizem que se conselho fosse bom, ninguém dava, ao contrário, vendia. Mas se você quer mudar suas atitudes ou conhece alguém que precisa urgentemente sair dessa posição incômoda de ser o “reclamão” da turma, é bom ler o conselho da psicóloga Rose Mary. Ela coloca três dicas interessantes que vão ajudar você ou quem se enquadra nessa situação a controlar as reclamações. “Primeiro, observe o que tem influenciado o seu comportamento. Segundo, pare de buscar motivos para reclamar. Terceiro, mude o seu foco para algo que lhe faça bem. Mas, repito, tudo depende da  forma como a pessoa deseja agir, se ela deseja continuar reclamando continuará sendo o ‘reclamão’ de sempre”.
Texto da Por Ana Paula Costa, no lagoinha.com

Mais lidas

Cuidado para não perder o foco...

Você já perdeu o foco?

Bom, a maioria das pessoas, pelo menos uma vez na vida, já perderam o foco de um objetivo, um sonho, uma meta. Isso é normal, afinal de contas, vivemos sob influências externas de pessoas e situações que podem nos desviar de propósitos que nós traçamos ou pior ainda, de propósitos que Deus traçou para nossas vidas. Sempre tenho em mente que o foco de Deus para vida de todo Cristão são suas promessas. Desde promessas coletivas, como a da salvação, uma morada no céu, até promessas mais pessoais e íntimas, que são feitas de pai pra filho. Mas o que acontece quando perdemos o foco? Isso pode ser muito perigoso. Em um trecho da palavra de Deus, pude observar duas atitudes distintas em uma mesma Situação.A passagem fica em Números 13 dos versículos 27 ao 31.“27E contaram-lhe, e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto.28O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades fortificadas e mui grandes; …

Portas fechadas, aí vem Deus

E oito dias depois estavam outra vez os seus discípulos DENTRO, E COM ELES TOMÉ. Chegou Jesus, ESTANDO AS PORTAS FECHADAS, e apresentou-se no meio, e disse: PAZ SEJA CONVOSCO. João 20:26
A passagem bíblica relata que oito dias após a morte de Jesus, tendo ele ressuscitado, apareceu aos discípulos, e a Bíblia faz questão de dizer que Tomé estava presente e que as portas estavam fechadas. Por um momento pensamos que a Bíblia poderia ter dito “e Ele bateu na porta e alguém a abriu”... ou “Ele mesmo abriu a porta”. Nada na Bíblia foi escrito por acaso. Há coisas que aconteceram no passado para servir de lição para o tempo presente.
Os discípulos não acreditavam que o mestre havia ressuscitado. Eles não tinha como abrir a porta por que lá fora estavam os soldados romanos que procuravam seguidores de Cristo, portanto eles estavam foragidos. Se alguém batesse na porta eles certamente não abririam. O seu líder havia morrido e para eles há esperança havia ido embora. A história do calvário naque…

Quem é você quando ninguém está olhando?

Intimidade gera santidade; santidade gera autoridade; e autoridade promove conquistas. 


Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramsa[ente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. 
1 Pedro 1:13-16 


A santidade é um desafio dos nosso dias e está diretamente ligada ao caráter.
Mas, o que é caráter? Caráter é o que você é quando ninguém está olhando.
É muito fácil ser uma benção na plataforma, no palco, no púlpito, na frente do seu pastor; Se você é uma benção na vida de quem mora debaixo do mesmo teto que você, se você dá bom testemunho de Cristo para aqueles que te vêem nos bons e nos maus dias, na alegria e na dor, na saúde e na doença, então você é uma benção de verdade! É …

A Teologia do cachorro e do gato

Este é o título de um livro, de Bob Sjogren e Gerald Robison, publicado no Brasil pela Missão Horizontes. Estranho, não é?

A Teologia do Cachorro e do Gato; não parece ser obra séria, pelo título. Mas é. É seriíssima. Os autores começam com uma anedota sobre cachorros e gatos.

O CACHORRO DIZ: VOCÊ ME ACARICIA,ME ALIMENTA, ME ABRIGA, ME AMA. VOCÊ DEVE SER DEUS.

O GATO DIZ: VOCÊ ME ACARICIA, VOCÊ ME ALIMENTA, ME ABRIGA, ME AMA, EU DEVO SER DEUS.

A partir daqui os dois mostram as diferenças entre cristão tipo cachorro e cristãos tipo gato.

O cachorro segue por amor, é dedicado, engaja-se, envolve a vida, entrega-se.

O gato quer as coisas boas, mas sem compromisso. Quer promessas, cuidados, atenção de Deus, da igreja, do pastor. Não se preocupa em ser útil, um instrumento nas mãos de Deus. Seu universo é ele mesmo. Algo interessante que dizem os autores e, acredito ser verdade, que os cachorros têm donos e os gatos têm funcionários.

Uma das boas observações do livro é no tocante ao senhorio de D…

O Cristão pode mentir diante de uma necessidade?

Você, secretária, recebe uma ligação, e o seu chefe, mesmo estando no escritório, manda dizer que não está!  Você, porteiro, que recebe ordem para informar que determinado morador não está em seu apartamento, mesmo ele estando! E quando o funcionário da empresa de serviços (água, luz, gás, telefone, internet, tv...)  chega no estabelecimento comercial, com ordem para suspender o serviço (corte), e você atende e garante que já está tudo pago (mesmo não estando), apenas para ganhar tempo! Detalhe: se não cumprir as orientações para mentir,  corre o risco de perder o emprego.
E ai, hein?! E se um desses for um cristão?
Jesus disse que o diabo é o pai da mentira (João 8:44), mas vejo pessoas de destaque na Bíblia, ditos como grandes homens de Deus, que mentiam. Abraão mentiu ao rei quando disse que sua mulher era sua irmã (Gênesis 12:18,19). Jeremias também mentiu aos oficiais do reino, a mando do rei (Jeremias 38:26,27). E Jacó, que sendo mentiroso e aproveitador, enganou a seu pai roubando…