Pular para o conteúdo principal

Crescendo à sombra do cajado

By: Pr. Josué Brandão 

O que anda acontecendo à nossa geração de obreiros? Por que será que poucos conseguem permanecer debaixo do cajado? Há uma pressa perigosa rondando os corações chamados e que ardem com a chama do Espírito. Ministérios estão sendo “abortados” por causa da incapacidade de esperar o momento de Deus. Poucos estão dispostos a oferecer o lombo para as pancadas inerentes ao ministério e á honra que ele requer. É a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA). Os nossos pensamentos voam numa velocidade que as Leis da Física não nos permitem alcançar. Então, terminamos por “colocar os pés pelas mãos”.

Há alguns anos, após um culto, quis falar com o orador daquela noite. Ele era um exímio pregador e o Senhor o havia usado poderosamente naquela oportunidade. Alguém havia me dito que ele estava formando uma equipe de pregadores e eu queria fazer parte. Com muita dificuldade, consegui chegar perto dele, mas fui tratado com um pouco de descaso. Fiquei muito angustiado. Não quis mais ir jantar. Entretanto, enquanto me dirigia para a hospedagem, o meu pai me abraçou e disse: “No tempo de Deus, você nunca está atrasado!” 

Ah, como precisamos aprender a andar “no passo do gado”, como fez Jacó depois do Vau de Jaboque, e a respirar o ar dos pastos verdejantes do pastoreio de Deus. 

Escreveu o salmista Davi: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”, Sl 23.4.

Alguns homens na Bíblia, por falta de compreensão do valor do cajado, foram pelo caminho errado e deixaram de desfrutar o que de Deus lhes estava proposto. 

O primeiro pecado, registrado no Gênesis, foi a desobediência de Adão e Eva no tocante ao fruto que o Senhor havia-lhes dito que não comessem. O fato é conhecido de todos nós. A partir daí, diz o apóstolo Paulo: “O pecado entrou no mundo e, pelo pecado a morte”, Rm 5.12.
O capítulo 4 do Gênesis relata que Caim era agricultor e Abel, pastor de ovelhas. Ambos trouxeram ao Senhor uma oferta e cada um ofereceu do que tinha. Nada mais compreensível, sobretudo quando estamos adorando a Deus. Caim trouxe do fruto da terra. Abel trouxe ao Senhor um cordeiro do seu rebanho. Entretanto, “... atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta, mas para Caim e para a sua oferta não atentou” (Gn 4. 4-5). Por causa disto “... Caim irou-se fortemente...” (v5). Alguns comentaristas tentam afirmar que Deus rejeitou a oferta de Caim e aceitou a de Abel porquanto na oferenda do primogênito não havia o sangue que já prefiguraria o sangue do Cordeiro. Entretanto, cada um trouxe do que tinha. E lembre-se: Deus não é injusto. Não pretendemos aqui fazer nenhuma exegese do texto, mas não podemos nos furtar à necessidade de lembrar que “o Senhor atentou para Abel e para a sua oferta, mas para Caim e para a sua oferta não atentou.” 

Primeiro, o Senhor atentou para o ofertante e o aceitou ou o rejeitou. E ao atentar para Abel, o Senhor percebeu o seu sacrifício de fé “pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho das suas oferendas...” (Hb 11.4). Atentando para Caim, o Senhor percebeu que ele “era do Maligno (...) e que as sua obras eram más” (I Jo 3.12). Não podemos incorrer no erro de acreditar que O Senhor primeiro verá a nossa pregação inteligente, a nossa admirável eloquência e polida oratória, nem mesmo o hino que viemos oferecer-lhe. Primeiro, ele atentará para nós. Mas, os da Síndrome de Caim sofrem o problema da inveja porque o “ministério do outro cresceu mais do que o meu.” Daí em diante, empresta-se ao propósito do maligno: “Se eu não conseguir destruir o ministério, paro o ministro.” O ministério de Abel não foi destruído pela morte. Veja o relato bíblico: “pela fé Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho das suas oferendas, e por meio dela depois de morto ainda fala” (Hb 11.4). As suas obras continuaram ecoando, mas o ministro foi silenciado. 

Em nome da síndrome de Caim, alguns púlpitos têm sido usados para ataques pessoais a desafetos, quando o povo de Deus tem uma necessidade de ser alimentado com o pão que procede de Deus. 

Quando estamos à sombra do cajado, não pensamos malignamente, não desejamos frear a marcha de alguém, porque entendemos que somos “cooperadores de Deus” (I Co 3.9) e não “competidores de Deus”. 

Estamos sofrendo de amnésia ministerial quando ignoramos o princípio bíblico de que havemos de dar conta das almas sob os nossos desvelos pastorais. Em nome do lucro, da promoção relâmpago, da conveniência, estamos gerando “ministérios camaleões”, sem identidade, sem compromisso e sem fidelidade à pureza do Sagrado Evangelho de Cristo Jesus. Que o bom Mestre nos ajude e nos ensine que, à sombra do cajado, cresceremos segundo o Senhor da seara e produziremos frutos que permanecerão.


Josué Brandão: Professor, Pastor, Escritor e Conferencista, Presidente da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Cristianismo Sem Fronteiras em Feira de Santana; Diretor e fundador da Editora Ide, da Cruzada Cristianismo Sem Fronteiras e do Centro de Ensino Teológico Ide. Bacharel em Teologia pela Faculdade de Teologia de São Paulo (FAETESP); Bacharel em Teologia pela Faculdade de Teologia Memorial; Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Teologia e Filosofia Hokemah (FATEH). Escritor dos seguintes livros: “Drogas: a Ilusão que Assassina; Cristo: a Verdade que Liberta”; “Jovens Bem Sucedidos”; “Lágrimas: Fonte de Milagres”; “Vaso Quebrado”. Articulista das Revistas “Obreiro” e “Geração JC”, CPAD. 2º vice- presidente da Convenção Fraternal de Ministros das Assembléias de Deus na Bahia (CONFRAMADEB) e da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil (CGADB)


@ElieLFerreira

Mais lidas

Cuidado para não perder o foco...

Você já perdeu o foco?

Bom, a maioria das pessoas, pelo menos uma vez na vida, já perderam o foco de um objetivo, um sonho, uma meta. Isso é normal, afinal de contas, vivemos sob influências externas de pessoas e situações que podem nos desviar de propósitos que nós traçamos ou pior ainda, de propósitos que Deus traçou para nossas vidas. Sempre tenho em mente que o foco de Deus para vida de todo Cristão são suas promessas. Desde promessas coletivas, como a da salvação, uma morada no céu, até promessas mais pessoais e íntimas, que são feitas de pai pra filho. Mas o que acontece quando perdemos o foco? Isso pode ser muito perigoso. Em um trecho da palavra de Deus, pude observar duas atitudes distintas em uma mesma Situação.A passagem fica em Números 13 dos versículos 27 ao 31.“27E contaram-lhe, e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto.28O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades fortificadas e mui grandes; …

Portas fechadas, aí vem Deus

E oito dias depois estavam outra vez os seus discípulos DENTRO, E COM ELES TOMÉ. Chegou Jesus, ESTANDO AS PORTAS FECHADAS, e apresentou-se no meio, e disse: PAZ SEJA CONVOSCO. João 20:26
A passagem bíblica relata que oito dias após a morte de Jesus, tendo ele ressuscitado, apareceu aos discípulos, e a Bíblia faz questão de dizer que Tomé estava presente e que as portas estavam fechadas. Por um momento pensamos que a Bíblia poderia ter dito “e Ele bateu na porta e alguém a abriu”... ou “Ele mesmo abriu a porta”. Nada na Bíblia foi escrito por acaso. Há coisas que aconteceram no passado para servir de lição para o tempo presente.
Os discípulos não acreditavam que o mestre havia ressuscitado. Eles não tinha como abrir a porta por que lá fora estavam os soldados romanos que procuravam seguidores de Cristo, portanto eles estavam foragidos. Se alguém batesse na porta eles certamente não abririam. O seu líder havia morrido e para eles há esperança havia ido embora. A história do calvário naque…

Quem é você quando ninguém está olhando?

Intimidade gera santidade; santidade gera autoridade; e autoridade promove conquistas. 


Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramsa[ente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. 
1 Pedro 1:13-16 


A santidade é um desafio dos nosso dias e está diretamente ligada ao caráter.
Mas, o que é caráter? Caráter é o que você é quando ninguém está olhando.
É muito fácil ser uma benção na plataforma, no palco, no púlpito, na frente do seu pastor; Se você é uma benção na vida de quem mora debaixo do mesmo teto que você, se você dá bom testemunho de Cristo para aqueles que te vêem nos bons e nos maus dias, na alegria e na dor, na saúde e na doença, então você é uma benção de verdade! É …

A Teologia do cachorro e do gato

Este é o título de um livro, de Bob Sjogren e Gerald Robison, publicado no Brasil pela Missão Horizontes. Estranho, não é?

A Teologia do Cachorro e do Gato; não parece ser obra séria, pelo título. Mas é. É seriíssima. Os autores começam com uma anedota sobre cachorros e gatos.

O CACHORRO DIZ: VOCÊ ME ACARICIA,ME ALIMENTA, ME ABRIGA, ME AMA. VOCÊ DEVE SER DEUS.

O GATO DIZ: VOCÊ ME ACARICIA, VOCÊ ME ALIMENTA, ME ABRIGA, ME AMA, EU DEVO SER DEUS.

A partir daqui os dois mostram as diferenças entre cristão tipo cachorro e cristãos tipo gato.

O cachorro segue por amor, é dedicado, engaja-se, envolve a vida, entrega-se.

O gato quer as coisas boas, mas sem compromisso. Quer promessas, cuidados, atenção de Deus, da igreja, do pastor. Não se preocupa em ser útil, um instrumento nas mãos de Deus. Seu universo é ele mesmo. Algo interessante que dizem os autores e, acredito ser verdade, que os cachorros têm donos e os gatos têm funcionários.

Uma das boas observações do livro é no tocante ao senhorio de D…

O Cristão pode mentir diante de uma necessidade?

Você, secretária, recebe uma ligação, e o seu chefe, mesmo estando no escritório, manda dizer que não está!  Você, porteiro, que recebe ordem para informar que determinado morador não está em seu apartamento, mesmo ele estando! E quando o funcionário da empresa de serviços (água, luz, gás, telefone, internet, tv...)  chega no estabelecimento comercial, com ordem para suspender o serviço (corte), e você atende e garante que já está tudo pago (mesmo não estando), apenas para ganhar tempo! Detalhe: se não cumprir as orientações para mentir,  corre o risco de perder o emprego.
E ai, hein?! E se um desses for um cristão?
Jesus disse que o diabo é o pai da mentira (João 8:44), mas vejo pessoas de destaque na Bíblia, ditos como grandes homens de Deus, que mentiam. Abraão mentiu ao rei quando disse que sua mulher era sua irmã (Gênesis 12:18,19). Jeremias também mentiu aos oficiais do reino, a mando do rei (Jeremias 38:26,27). E Jacó, que sendo mentiroso e aproveitador, enganou a seu pai roubando…